Topo
TIJUCAS | Quarta Feira, 10 de Agosto de 2022
Loading
Topo Daqui Tijucas
Menu Daqui Tijucas Daqui Tijucas Notícias Impressa Contato

Notícias

27 de Junho de 2022 - 17:50:47

Menina grávida após estupro volta para a casa da mãe

Após mais de 40 dias afastada de casa, a criança deixou o abrigo. Segundo informou o MPF, o procedimento para interrupção da gravidez já foi realizado
 
 
Menina grávida após estupro volta para a casa da mãe
Caso que aconteceu em Tijucas ganhou repercussão nacional esta semana
 
Após uma estrondosa repercussão na imprensa nacional e nas redes sociais, o caso da menina
de Tijucas que sofreu estupro, engravidou e teve o aborto legal impedido pela justiça tem
ganhado novos desdobramentos.
 
Na terça-feira (21), depois de mais de 40 dias afastada da
mãe, a criança enfim deixou o abrigo e retornou para casa, por determinação da
desembargadora Cláudia Lambert de Faria. A menina tinha sido levada para o abrigo sob
alegação de que era para afastá-la de seu abusador, mas haviam indícios de que o afastamento
da mãe era parte dos esforços da justiça para dificultar a realização da interrupção da
gestação.
 
Outra decisão importante foi a recomendação do Ministério Público Federal (MPF), expedida
nesta quarta-feira (22), de que o Hospital Universitário da UFSC realize o aborto para a menina
de 11 anos de idade, independente do tempo de gestação ou autorização judicial. A criança
está com 30 semanas de gestação. Após a decisão, a defesa da família da menina entrou com
um habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) para realizar o procedimento
de interrupção da gravidez.
Apesar de ser um direito, a gente quer cumprir todos os
requisitos, comentou a advogada Daniela Felix.
 
O caso veio à tona após reportagem do Portal Catarinas e do The Intercept Brasil, divulgada na
segunda-feira (20). A matéria detalhou a condução do processo pela juíza Joana Ribeiro
Zimmer e pela promotora Mirela Dutra Alberton. Em vídeo da audiência com a menina e a
mãe, Dutra e Ribeiro tentam convencê-las a manter a gravidez por mais algumas semanas para
que fosse possível a realização de um parto antecipado.
Joana Ribeiro Zimmer não está mais à frente do caso. A juíza foi transferida para a comarca de
Brusque, no Vale do Itajaí.
Ela alega que a transferência ocorreu devido a uma promoção e
aconteceu na última quarta-feira (15), antes da repercussão do caso. A conduta da magistrada
está sendo apurada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Corregedoria-Geral do
Tribunal de Justiça de Santa Catarina. O Ministério Público de Santa Catarina, por sua vez,
investiga a promotora.
 
Vítima de estupro, a menina descobriu que estava na 22ª semana de gravidez ao ser
encaminhada ao HU. Lá, teve o procedimento negado em virtude de uma norma do hospital,
que só realiza a interrupção até a vigésima semana de gravidez, apesar da legislação não
estipular prazos ou solicitar autorização judicial para o procedimento.
Segundo a lei, o aborto é permitido nos casos em que a gravidez é decorrente de estupro ou quando há risco à vida da
gestante. Ontem à tarde, o portal do Diário Catarinense publicou que, segundo informações do
MPF, a menina realizou a interrupção da gravidez na quarta-feira (22).
 

Envie um Comentário

 

Últimas Notícias

Estado libera doses de vacina para crianças a partir de 3 anos
FME realiza jogos de férias com atletas das escolinhas esportivas
Lançada campanha Amigo Sangue Bom para incentivar doação
Artista de rua viraliza nas redes sociais como palhaço Grapixo
Horta ecológica da Escola Santa Terezinha recebe doação
Rodapé Daqui Tijucas Daqui Tijucas Notícias Galerias Vídeos Impressa Contato
Rodapé Contato Contato AmpliWeb Google Plus YouTube